Implementando coincidências


Leia este depoimento:

“Eu estava desempregado, mas mesmo assim gastei uma grana pra participar do evento XPTO. Lá, em frente ao stand da empresa.com, por coincidência encostou o Fulano de Tal, CTO da startup onde hoje eu trabalho. Fui contratado por causa de uma conversa descontraída de cinco minutos sobre git, php e javascript.”

E mais este:

“Você conhece a WhateverTool? Eu fui naquele café com desenvolvedores da semana passada e tinha um cara usando lá… todo mundo instalou na hora, facilita demais a vida…”

Já ouviu algo assim? Você tem certeza que é melhor programador/designer/líder que o seu amigo que foi contratado? Você tem ideias muito melhores que os outros e ninguém colabora no seu GitHub? Ninguém reconhece seu talento? A vida é injusta com você?

Vira e mexe, converso com algumas pessoas sobre participação em eventos, encontros e outras atividades similares. Com algumas eu insisto (aquelas com quem me importo) e com outras eu chego até a torrar a paciência (aquelas que eu amo).

Quase todas as pessoas que eu conheço e que sentem que não são reconhecidas são exatamente as que “sabem tudo”. Aquelas que não participam de eventos porque não precisam aprender isso ou aquilo. O que sabem já paga o feijão.

Por coincidência, os amigos que vão a todas estas reuniões (os ratos de evento e os ébrios do PHPub, por exemplo) são exatamente os que têm mais “sorte”. Aqueles que “por coincidência” encontram uma oportunidade de projeto ou de melhor salário pelo menos uma vez por mês.

Em qual dos grupos você se encaixa? No dos injustiçados que raramente recebem propostas decentes no conforto do seu lar? Ou no dos que diariamente implementam suas próprias coincidências?